nov 14

Chumbo

Meus olhos ainda lembram
quando você se foi
era noite no mundo todo
tudo era escuridão

Hoje ainda caminho torto
como perdido no horto da minha devassidão
tudo é chumbo em meu coração

 

nov 14

Vendado

De olhos vendados me entrego a ti
cada vez que me deito
ante a tua imortal lembrança
como se fora de novo a criança
que acreditou nos teus sonhos…

Eles se foram
e a criança cresceu
deixou as ilusões pueris
tudo se perdeu

Quase sempre é assim
ao pensar em você esqueço de mim
quase sempre

set 20

Ponto

Recebo em mim a a tua energia
em cada poro do meu corpo a tua unção
em cada olhar uma alegria
que nos liberta o coração

 

Em cada arrepio um giro
em cada peito uma respiração
em cada gesto bonito
sinto renovação

em cada brisa a mãe do vento
em cada rima um mudo lamento
de cada verso que eu penso
sinto na cabeça o alvo lenço
da tua proteção

Eu olho o mundo aflito
dos milhões de proscritos
das gentes que não sabem dançar

eu que não grito
lanço do meu peito maldito
o ponto que quero cantar.

ago 24

Deixa-me

Deixa-me voar
em cada canto
em cada olhar

Deixa-me viver
em cada dia
que amanhecer

Deixa-me ir ao teu lado
que é tudo que eu posso ter
em cada abraço dado
um novo bem querer

Deixa-me sorver o teu sorriso
que é tudo o que mais preciso
meu melhor prazer
deixar a noite de lado
e ter-te ao meu regalo
num infinito alvorecer.

jul 31

Naufrágio

Toda a minha fé
escorreu pela minha saudade

ainda hoje porém mais tarde
chorarei  mais uma vez

e me lembrarei de como éramos felizes
de quando as horas nos trouxeram dor
e não soubemos nos amenizar
nem cuidar de nosso amor

Não fizemos as curas para nossas feridas
exibíamos elas todas como amargos troféus da vida

assim as horas mais felizes
foram-se como infiéis meretrizes
que a moeda não pagou

ficaram outras horas mortas
horas órfãs
que o tempo não parou

Hoje só me resta o tempo
que eu ainda não te dei
ele, o tempo, vai-me lento
como um velho vento
em que me naufraguei. 

jul 27

Teimosia

De cada verso que eu faça soar,
de cada decassílabo que eu faça ouvir
de cada pranto que eu possa chorar
e de cada saudade que eu possa sentir.

Faremos o amor maior que houver
e se você ainda quiser
seremos mais
em cada abraço dado
em cada sonho sonhado
em cada manhã que vier.

Em cada olhar que trocarmos
em cada carícia sentida
em cada esperança que alentarmos
em cada manhã de nossa vida

E a cada sol que se pôr
ressuscitará em cada novo dia
caso haja o ocaso do nosso amor
numa estranha e eterna teimosia.  

abr 29

Tempo

Nossas marcas denunciam
o que nunca revelamos
nesses poucos anos
que o tempo nos privou

Cada qual é capaz
de esconder e de mostrar
a marca mais profana
que teimamos em ocultar

Cada marca nos desnuda
como as velas num bolo de aniversário
cada chama que se apaga
é tempo que não retorna

jan 16

KD vc?

fumacaII

O teu hálito nocivo
o absinto que teimo beber
teu peito corrompido desistiu de ser
apenas você

Sucumbi das minhas masmorras
e que eu simplesmente morra
voltei para você e você se foi
você se foi estou só

Os filhos que eu não te dei
aqui estão
do berço chamado solidão

Hei onde você está?
morro todos os dia querendo te encontrar…

Deixei o paraíso
da descomplicação
e voltei mesmo ferido
ao ventre do teu coração

Hei onde você foi?
quero a tua antiga alegria
com toda aquela magia
que só você sabe fazer…

dez 25

O meu amor…

IMG_8545

O meu amor mais verdadeiro
que me desmanchou por inteiro
o amor que eu nunca quis
e mesmo assim se fez
numa tarde qualquer
de um tempo assim
tão perto e tão distante de mim

O meu amor mais verdadeiro
o amor que me faz inteiro
o amor que eu nunca pensei
o amor que assim mesmo se fez

Um amor sem qualquer explicação
amor de hoje, de sempre, amor de solidão…

Amor que não tem tamanho
que eu nuca experimentei
amor de alma, amor de calma
amor de imensidão

Amor assim tão infinito
amor que de tão bonito
não cabe em mim
transborda, transforma, reforma, retorna…
totalmente sem fim

amor como eu nunca pude explicar.

 

dez 25

Grito

129980880102

Meu grito é o mais surdo
e teu ouvido o mais mudo
que pudera ocorrer

Berro o verbo inaudito
do amor mais proscrito
que me pudera acontecer

Já não sou o eu…
o que abrigo em meu peito
sou apenas o mal refeito
da ausência do teu ser

Tudo se passou

Posts mais antigos «