Arquivo por mês: novembro 2010

nov 29

Mais um Novembro

E mais um se foi, está indo, diluindo, esvaindo… Mais um novembro vai se apagando, lentamente se acabando, e trazendo outro dezembro…

nov 28

Públicos e públicos.

mauro

Em domingo de muito trabalho, o Lar Espírita Luz e Amor, em Diadema, organizou curso de expositores espíritas. Dentre os palestrantes convidados, Mauro Hollo, falou sobre os diversos públicos que acorrem às casas espíritas em busca de consolo e auxílio. Hollo, destacou a importância do expositor identificar-se com o público estabelecendo uma ligação que facilite …

Continue lendo »

nov 26

Na Mochila

Voltando do trabalho no dia de ontem, (a chuva nos permitira chegar ao ponto de ônibus), quase secos e quase molhados, estávamos nós sob o abrigo do ponto. Eu cinquentão de mochila nas costas e um grupo de adolescentes que chegara com uma alegria transbordante, cabelos molhados vozes estridentes, todos também de mochilas. Subindo no …

Continue lendo »

nov 21

Contas

Dez crianças descalças, nove poemas de flores, oito pontas de estrelas, sete cartas de amores. Seis milícias na rua, cinco novenas pequenas, quatro São Jorges na lua, três donzelas morenas. Dois minutos de espera, um te vendo ferina , dois te querendo donzela, três te esperando menina. Quatro cores da rima, cinco amores de fato, …

Continue lendo »

nov 19

Minha consciência é negra

mediummultiracialbk3

Minha consciência é negra, é mestiça de um povo em construção, é caiada na pele, mulata no cerne. Minha alma é gêmea, de todo aquele que a requere. Minha tez é tênue, de viço e mazela, um pé na cidade, outro na favela. Sob minha pele, tecido e sangue, planície, montanha e mangue, alma e …

Continue lendo »

nov 17

50 anos depois foi hoje.

Hoje pela manhã bem cedo, num táxi vermelho, rumamos para o centro de São Paulo, ruas ainda sonolentas, mas que já ensaiavam o ritmo frenético do vai e vem interminável que logo mais se estabeleceria na maior cidade do país, pouco mais de vinte minutos de viajem estacionamos na rampa destinada às ambulâncias e carros …

Continue lendo »

nov 17

E foi-se embora com outro homem…

uno

Foi-se, subiu a ladeira da rua Moscou e sumiu na curva mais além, o tempo chuvoso deu maior tempero nessa nossa despedida, a sensação que tive foi de perda. Passamos juntos dois bons anos de minha vida, ele testemunha de meu refazimento, eu testemunha de sua dedicação, resistência, versatilidade, e beleza…acho ele lindo! Ele subindo …

Continue lendo »

nov 14

Estrada

Deixa correr depois deixa chegar, e bem devagar deixa só ficar… Andando aos pedaços de caminhos que fizemos por nós e assim sozinhos façamos um novo caminho… O bom da estrada é o seu caminhar em nós. percorremos, corremos, andamos, sonhamos de vagar assim chegamos e nos aconchegamos, retratos falados de calados e mudos, no …

Continue lendo »

nov 14

Há um tempo.

Há dia que não te vejo, há dia em que não te sinto, há dia em que teu desejo, adia o nosso beijo, e nosso amor jaz extinto… Há noite feito açoite, que eterniza o sofrer, impossível te esquecer impossível te tocar impossível não querer impossível não chorar. Há dia que me esqueço, há dia …

Continue lendo »

nov 11

Que coisa hein!

Sonhos, todos temos, todos os sonhos, nós os temos. E talvez temamos realizar os sonhos, pois se assim o fizermos sem os próprios sonhos ficaremos. Sendo reais então e deixando de ser sonhos, passam a ser antônimos dos sonhos que sempre tivemos. E talvez prontos não estejamos, para vivenciar nossos sonhos, e assim dos sonhos …

Continue lendo »

Posts mais antigos «