«

»

maio 08

Quando a noite se vai.

Quando a noite cai
o sonho se esvai
em delírios de realidade.

Quando a noite cai
a insônia me atrai
pelas vielas da cidade.

Caminho entre desertas ruas,
túneis e vagos pontilhões,
desperto entre palavras cruas
em desertos e multidões.

Tudo se perde sem um porquê,
estrelas caem desacordadas,
do brilho desbotadas,
anêmicas de você.

Quando a noite cai,
a poesia se contrai
parindo um fonema
feito de papel e pena,
mel, pão e poema.

E quando a noite cai
a alma quase livre se vai
em busca da alvorada
até que sua eterna amada
se manifesta como novo dia
de esperas e quimeras,
em uma nova poesia.

Abraça-o num canto
de espera e esperanto
e tudo se acalma e distrai
quando o dia germina…
e quando a noite se vai.

Deixe uma resposta