«

»

ago 23

A chuva que não vi.

A chuva que não vi,

o orvalho que não senti,

o vento do qual me escondi.

De nada me valeram

em nada me conheceram

e a nada me prendi.

A chuva não molhou,

o orvalho não brilhou,

o vento não ventou.

Uma nova manhã me visita,

que a chuva o orvalho e o vento

caiam sobre mim.

Deixe uma resposta