«

»

out 18

Sem rimas

Me pedes que sem rima eu faça o meu versar,

como se nesta noite fria,

a minha poesia pudesse congelar,

solto os versos reversos,

em dilemas e fonemas

de quem não pode olvidar,

os tempos idos de amores perdidos

e de amores a desabrochar.

Deixe uma resposta