«

»

out 19

No chão molhado da rua…

No chão molhado da rua,

tu prostrada e quase nua,

em difíceis momentos de solidão.

Teu peito arfava sofrendo,

o coração por entre espinhos batendo,

e em cada solitário momento,

pairava um quase lamento,

de teus olhos marejados,

quase da luz apagados,

em vez de abertos fechados…

 

Deixe uma resposta