Arquivo por mês: novembro 2011

nov 27

Um olhar

Uma luz e um olhar, e tudo mais pode se acabar… Enquanto tu olhas as horas que passam, caminhas por entre nuvens de tristezas, espalhando sorrisos e gentilezas… nada pode ser maior do que essa luz, nada poderá demovê-la, nem removê-la. Caminhas por entre estrelas, com brilho próprio, em cada leito alvo, um alvo feito …

Continue lendo »

nov 26

O meu eterno e único amor.

CHUVA_DE_FLORES

Em você eu vejo flores, de cada novo amanhecer, em que desperto dos teus amores. Cada flor de cada teu novo amor é tormento, em ventania e sofrimento, de flor despetalada e rompimento de cada mal-me-quer que fizeste-me ao vento. Em cada instante distante em que de mim vives, desmentes as juras e eternas promessas, que sempre me …

Continue lendo »

nov 24

O meu coração caminha só.

solidao

As vezes é melhor caminhar sozinho, sem expectativas impossíveis. Eu prefiro a fuga para a solidão, em aceitação de minha covardia em externar o meu amor inaceitável, tudo caminha para o mar das minhas desilusões, que se agiganta a cada momento em que te desconheço. O tempo escorre por minhas mãos vazias, já não há …

Continue lendo »

nov 18

Seguir

Estamos aqui, perdidos e esquecidos de existir ancorados na dor, sem a flor e a cor de qualquer jardim, guardando a nós mesmos de nós próprios, com impróprios e descabidos propósitos. Lagos de dúvidas hão de secar, e quando nada mais restar, seguiremos a luz da estrelada manhã…

nov 18

Paciência.

farol

A paciência vem de patis sofrer e sua decorrente desinência, a paciência é portanto saber sofrer o sofrer, tempo de paciência é tempo de sobrevivência, é tempo de depurar, expiar e tornar a viver. É preciso ter paciência, em desobediência ao enlouquecer, é preciso ter paz e ter ciência ter paciência é ter a presença da …

Continue lendo »

nov 18

Um (seu)mundo muito cruel.

DRAGON_NEGRO_NA_COLINA

Pedi um pouco de mel, o fel veio generoso e de um jeito assombroso a sair dos lábios teus. Os meus surpresos e feridos, queixaram-se aos ouvidos, que por sua vez recusaram-se a entender. Conversas aversas e complexas, e ao final quase perversas, de lascívia e perfídia. E eu pobre de mim crendo que era …

Continue lendo »

nov 17

Depois da chuva de nosso verão.

CHUVAS~1

Caminhar e para onde? se o caminho se esconde, e já não diviso o horizonte. procuro teus olhos e não os acho… na sua ausência me enlaço, e tudo é só saudade. O meu caminho é passado, e caminho não ido nem caminhado… é apenas caminho abandonado. Estrelas na escuridão dão sinais de você, não …

Continue lendo »

nov 15

Há mar.

imagesCA5NJGN2

Há vento e lamento, há mar e há rio, há tempo e tormento, há lar que ruiu. Há flor e há vida, há dor e ferida, há gente ausente, e há saudade dorida. Há mares e há mar, há tristeza em nosso lar, há em mim  a nostalgia, há em nós a letargia, há sim imensa dor, áh, pobres …

Continue lendo »

nov 14

Love Is A Losing Game

amy-winehouse-high-school1

E se teus amores não se perdessem? Ainda assim serias assim? E se não tivesses partido, assim o meu coração. Mais uma vez me visitas na noite, e a despedida outra vez como açoite. Quando tudo poderia ser diferente, foste igual a tanta gente, ficou a tua voz e um espectro de seu olhar, para quando …

Continue lendo »

nov 14

Das mulheres da minha vida…

wal

Das mulheres da minha vida, a mais amiga, das mulheres da minha vida, a mais sofrida, da mulheres da minha vida, a mais esquecida. De todas as mulheres da minha vida, a mais querida, a minha mais e especial amiga, e até hoje a minha namorada, de todas, a mais querida e a mais amada.

Posts mais antigos «