«

»

jan 19

Nas tuas linhas

Nas linhas das tuas entranhas,

velhas paixões e paixões estranhas,

todas tão pequenas e tão tamanhas,

que teu peito de mal jeito

se ajeita e se amarfanha.

Se fere de forma tão tacanha,

quando ele que não se acanha,

atira-se nos braços do amor e assim se assanha.

Nas linhas tortas e mal postas,

do teu amor sem jeito,

fere-se o afeto,

em espinhos de flores do deserto,

em rumores de amores desfeitos.

Nas linhas duras

das tuas cruas e despidas feições,

destila-se o fel antes puro mel,

antes puro céu, antes puras paixões.

Deixe uma resposta