«

»

jan 29

Ainda assim

Ainda assim eu fico sem jeito e preso de mim mesmo, nessas incertezas que a vida me dá. As amarras que teci criaram uma teia que me prendem a você, cada linha que escrevo só me faz enredar aumentando o novelo de que não me desembaraço e sob o peso desse laço me perco em mim mesmo querendo não perder você.

Nessa busca de ti, me deti te querendo, e quase esqueci de mim mesmo. Busco respirar um outro ar que não seja o teu, pois ele não me deixa ver o horizonte onde um sol nascente atrás de outras lentes me faz poetizar.

Tudo além de você é melhor e mais belo, ainda assim correntes muito pesadas me prendem a você.

Deixe uma resposta