Arquivo por mês: Fevereiro de 2012

fev 29

A moça da sala de estar

Na sala de estar ela está, como quem nunca mais há de ficar, parece profetisa poetisa dona de todos os poemas meus, dona do meu amor, que ainda não morreu. Na sala de estar há de ficar, eternamente, fixa em minha mente como idéia demente, como um coração doente, a maltratar meu peito febril, como …

Continue lendo »

fev 29

A ti.

O ar que tu respiras, aspiro sê-lo, como etéreo novêlo de enredo e torpor. E ao final de cada arfar, haverei de em ti adentrar, sendo o divino ar do teu infinito amor. E sendo ar despido e exalado, serei teu sonho sonhado, de cada noite dormida, serei tua nova ferida, de um novo sonho …

Continue lendo »

fev 29

Chuva e chocolate

Toda vez que te vejo … chove, e o que mais me comove é dar-me chocolate, essa mistura pura de chocolate e chuva, perdura na memória de minha pele e de meu paladar. E tudo o mais a chuva pode molhar, terei mais chocolate.    

fev 24

Eu não via a chuva que chovia.

Te vi na chuva fria, no desamor do meu amor, no abandono que eu tecia, e só eu que não via a chuva caindo sobre ti, a chuva sendo chuva chovia, eu sendo eu não via. Você sendo tudo não lia, as letras mortas que eu chovia, era tudo que eu não via, o teu …

Continue lendo »

fev 22

Cipoal

É como se o seu coração fosse uma selva, e não houvesse trilhas para caminhar, tudo é denso e não vejo o sol do teu amor, me perco tateando às escuras, as brumas densas não me deixam ver nada além do teu abandono, tudo em ti é desconsolo. Nada mais me resta, senão uma fresta …

Continue lendo »

fev 20

Adormeço

Em cada canto de teu corpo, encontro meu conforto e minha paixão, nas esquinas de tua alma, tudo é infinita calma, tudo é infinita canção. Em cada canto de ti me deti a te olhar, a te admirar, como quem vê o bem, e sente bem o que virá. Em tuas curvas discretas és-me divina …

Continue lendo »

fev 19

Me perder.

E a cada dia que passa, a vida sem você é sem graça de se viver, e a cada dia que passa, você passa mais a me perder. E antes que possas perceber serei apenas a tua saudade que já veio tarde, e que não pôde me prender. E assim antes que seja tarde, em …

Continue lendo »

fev 12

Não te enganes

Não te enganes com meus versos, não são parati. São para além daqui, para minha gêmea alma, que me banha em doce calma, nas minhas noites de solidão, caminhando comigo em abrigo de doces versos que faz comigo, tendo por papel e pena o meu coração. Minha gêmea alma querida, ainda não renascida, caminha comigo …

Continue lendo »

fev 08

Cale-se

O amargo cálice das tuas urdiduras, do fel do teu amor às avessas, sem as sobras das tuas venturas, que deixando-me às pressas, ao primeiro raio de sol, como quem incendeia e se vai, pilhar outro peito que se distrai, e assim tudo cai na luz mortiça do seu farol.    

fev 06

Pegadas

Nos caminhos e nos descaminhos, em que todos nós seguimos, tudo é um só destino, e trinta anos de jornada, em cada uma de nossas estradas, é tempo que não cansa de esperar, é tempo ido e tempo tido, em que cada um amigo, e não importa a mocidade, se fez mais querido, nas pegadas …

Continue lendo »

Posts mais antigos «