Arquivo por mês: Março de 2012

mar 29

Quando você me abraça.

Quando você me abraça, um sol se enlaça em todo meu ser, tudo então se aquece, toda dor desaparece, e tudo mais que eu faça, fica sem sentido, quando você me abraça. O mundo se torna pequenino, a esperança torna a aparecer, quando me sinto menino, querendo em teus braços adormecer. Tudo então é mais …

Continue lendo »

mar 27

Nada a declarar.

Nada escreverei na noite de hoje, nego-me a escrever o que sinto, nego-me a descrever e assim minto, para mim mesmo e para todo mundo, não quero descerrar a cortina do meu amor, e seja que espetáculo for não quero público presente não quero que vejam novamente o quão sangra o meu coração. Nada que …

Continue lendo »

mar 27

No vento.

No vento me alegro, no vento me alento, no vento o perfume que mais quero, no vento um triste lamento, no vento me elevo, no vento me tento, no vento não quero, no vento me rendo. No vento aumento, no vento sustento, o sentimento deserto, do vento aqui dentro. No vento me levo, no vento …

Continue lendo »

mar 25

E se cale-se.

Afasta de mim esse cálice, de vento e tempestade que habita dentro de mim. Que a correnteza que me puxa para o fundo de eu mesmo, não me deixe à deriva e à esmo, que não me afogue em minhas turbulências, que minhas tantas existências, me fizeram sofrer, afasta de mim esse cálice que dele …

Continue lendo »

mar 21

Na mesma teia

Do berço ao espaço, em cada novo poema que faço, do pó das minhas botas, das tortas e perdidas rotas, que meu ser perece e vê, que a cada dia como uma nova poesia, a vida vem e presenteia, nos enredando todos na eterna e mesma teia.

mar 21

Ressurreição

Caminhas nos degraus da vida, como quem caminha em cada caminho, o que há de ser vivida, alegria tristeza amor e espinho, caminhas de cada vez que nasces e renasces, de carne em carne, de visão em divisão, da cor de cada pele, de cada nova epiderme, de cada nova ressurreição, de cada anseio em …

Continue lendo »

mar 21

Na luz do teu olhar

E caminhava meu caminho, triste calado e sozinho, olhando eterno o meu chão, em sombras imensas, de espessas e densas, nuvens de solidão. Caminhava meu caminho, e um sol se fez então, olhei para o céu do teu olhar, e vi estrelas na imensidão, vi teu sorriso a brilhar vi meu caminho iluminar dissipando as …

Continue lendo »

mar 21

Face a face

Um verde olhar, de arcoirisar, de antever e decorar, um rosto lindo, e um lindo sorriso… e o que mais é preciso, para uma lembrança se eternizar? Um bom dia, um olá, mesmo quando se é pelo teclar, mas a distância…essa é uma constância, sempre a separar. Poemas e canções, cutucadas emoções, que nunca chegam …

Continue lendo »

mar 14

A poesia em dia

A poesia em dia de poema, ela própria não quer ser dilema, quer ser ouvida e vivida, e do teu coração algema. Em qualquer momento, na alegria ou no sofrimento, é ela a poesia, ácido e unguento, a mentira mais pura, a verdade mais dura, segredo e descobrimento. A poesia na alma, enlaça em divina …

Continue lendo »

mar 12

Senta à mesa e vem.

Não te atemores se teus amores se forem, outros hão de vir e tu há de sentir novos e renovados calores. Senta à mesa e vê, te sirvo flores em potes de novos amores, te sirvo minha alma decaída, ferida e comovida, como sempre haverá de ser, não te negarei nada, tudo então te concederei, …

Continue lendo »

Posts mais antigos «