«

»

mar 25

E se cale-se.

Afasta de mim esse cálice,

de vento e tempestade

que habita dentro de mim.

Que a correnteza que me puxa para o fundo de eu mesmo,

não me deixe à deriva e à esmo,

que não me afogue em minhas turbulências,

que minhas tantas existências,

me fizeram sofrer,

afasta de mim esse cálice que dele não o quero beber,

há que se quebrar e todo seu fel

caindo no chão torne-se em mel

de minha insistência em esquecer.

Faz que a tormenta

que se me apresenta

desapareça e se cale-se,

entornando para longe,

esse amargo e repleto cálice.

 

Deixe uma resposta