«

»

maio 12

A espera de mim

São quatro e trinta,

na estação,

nem primavera nem outono ou verão,

é tudo um só inverno,

tudo triste e cinza.

Cinzas de um amor que não conseguiu mater-se em fogo,

apagou-se na primeira chuva desse outono.

E ainda são quatro e trinta na estação do abandono.

 

Deixe uma resposta