«

»

maio 26

Cacos

Cada caco de mim,

de cada cacofonia,

de cada caco de chão

de cada pedaço perdido do meu coração.

Cada resto de sonho,

me faz pesadelo medonho,

de impuras lisuras de ti,

de cada verso maldito,

mal lido e mal visto,

mal amado e mal sentido,

e cada verso errado que eu tenha parido,

em cada verso amado que eu tenha esquecido.

São pedaços diversos,

que em versos faço-os de mim,

pedaços reversos de saudade sem fim,

cada caco é um pedaço de dor,

dos cacos do vaso do meu amor.

 

 

Deixe uma resposta