«

»

nov 20

Quero

Não me sacia apenas uma parte de ti,

a minha fome é de tudo

quero-a mais que o mundo,

mais que o ar que apenas me traz anseios,

mais que a moldura infinita deste céu,

mais que a cantiga maldita de menestrel.

Quero-a como nunca,

como a derradeira mortalha e túnica

que há de me envolver

quero-a mais do que a quero esquecer.

Quero-a inteira mente e alma,

vestes, vulva e mãos,

vísceras e as entranhas,

do seu próprio coração.

 

Deixe uma resposta