«

»

dez 15

Cronologia

Primeiro nos distanciamos

e eu acomodado me calei,

depois ela buscou seu caminho

e eu só a deixei,

não quiz fazer a sombra,

nem tampouco assombrá-la

quisera eu livre deixá-la respirando o próprio ar.

E esse ar a inebriou,

dilatando a distância que antes se formara.

A minha era uma, e a dela outra, estrada…

Caminhos distintos tínhamos então,

sua bússola era o norte,

a minha a solidão.

Então no luto da relação,

isolei-me nos versos,

fiz deles meus berros,

que não chegaram aos ouvidos moucos,

de quem eu queria querer,

fiz dos pobres poemas loucos,

vitrines do meu sofrer.

E assim sem ar e sem amar,

sem reter e sem soltar,

as amarras desse pobre amor,

se desfizeram no silêncio do desamor.

E assim enterrado e finito,

o óbito certificado e posto,

de um amor quase infinito,

agora selado e morto.

Deixe uma resposta