«

»

fev 21

Curvo

Curvo-me diante de ti,

curvo-me diante da dor,

diante de cada momento,

em que você me esperou.

Curvo-me diante da vida,

diante da brisa,

que nunca te soprou.

Curvo-me diante da estrada,

tão larga e iluminada,

que nunca você caminhou.

Curvo-me diante de tudo,

diante da imensidão,

e permaneço quieto calado e mudo,

permanecendo fechado,

nas entranhas dessa solidão.

Deixe uma resposta