«

»

jun 10

Deita

Larga as velas de teu mastro,

arreda do teu casco e vem pra terra…

caíste frente ao carrasco chamado amor

que tudo arrasto em teu favor

e quando o toque do teu ventre

faz arrepios em minha pele,

tudo é mar e rebentação

maré alta enchente e paixão.

Deita na vala que te faço

bem no fundo do meu coração

já rasguei todas as veias

que eram solidão…

Deitas, vem e ama,

faz-me teu refém

nos véus de tua cama.

Inunda-me com teu amor

e para sempre e enquanto for,

serei teu farol e seguro porto,

jardim e dileto horto,

e mortalha do nosso amor.

 

Deixe uma resposta