Arquivo por mês: julho de 2013

jul 30

As sombras.

Sombras de ti sobras de mim, sombras que assombram e sopram a solidão assim. Sobra de mim a só lidão de sólido e insólito solilóquio, da sólida lida de então lida sólida de só lida da sobra devida do meu coração.  

jul 30

Tatuagem

Nas flores e nas dores do teu dorso inerte e cálido, em cada página do teu corpo, em cada verso inválido, em cada esguia curva e em cada pedaço de pele, na tatuagem escura na tua epiderme. Em cada canto esguio nas curvas mais generosas, sinto cada calafrio, em perfume de mel e rosas. Cada …

Continue lendo »

jul 30

templo

Me banho na tua ausência nas águas da vida eterna na saudade singela do rio que te levou, me banho das águas tantas das lágrimas santas da saudade que ficou. Caridoso apelo inflamo ao teu ouvido ainda senil que rogo tempo e clamo por alguém que já partiu, me afogo em tenso frêmito do peito …

Continue lendo »

jul 30

No teto do mundo

No teto do mundo caminhávamos felizes nada poderia nos abalar… E o mundo se moveu como um trem e tudo que era sólido caiu num grande vai e vem…    

jul 30

Os Pretos Velhos do meu quintal

No quintal de minha casa, tem amora e tem goiaba, tem pitanga e tem miçanga tem tabaco e tem orvaia,   tem unguento e tem lamento tem cantoria e serenata tem mandinga e benzimento que a todo mal desata.   No quintal da minha casa, tem preto Véio que cura tem preta Véia que reza …

Continue lendo »

jul 24

Águas rasas

Ainda sinto a falta da tua voz a sussurrar segredos e desatar meus nós, e claro que o carmim da tua boca a olhar para mim como quase uma louca, me deixaria as marcas mais profundas e mais raras e rasas águas sob meus pés.  

jul 24

O rei nasceu nú

Nasceu o rei como nós, nú, entretanto prontamente o mundo se voltou para acolhê-lo, mesmo em sua nudez; e assim nas telas de todas as TVs, o rei nascido logo vestido e exibido ao palácio trazido. Traduzido e explicado, o rei mesmo em xixi enxarcado, imediatamente lavado e trocado. O rei nascido nú, explica o mundo …

Continue lendo »

jul 11

Dispa-se

Dispa-se da saudade, e do amor que veio tarde, e da tarde desse amor que a noite já levou… Dispa-se da morte, e seja assim sempre forte, como a fonte que nunca secou… Dispa-se do medo, na luz de um dia bem cedo, onde o sol já raiou… Dispa-se do meu amor, como quem se …

Continue lendo »