«

»

jul 11

Dispa-se

Dispa-se da saudade,

e do amor que veio tarde,

e da tarde desse amor que a noite já levou…

Dispa-se da morte,

e seja assim sempre forte,

como a fonte que nunca secou…

Dispa-se do medo,

na luz de um dia bem cedo,

onde o sol já raiou…

Dispa-se do meu amor,

como quem se despe de tudo,

da dor da flor e do mundo…

dispa-se assim,

despindo-se de mim.

 

Deixe uma resposta