«

»

ago 30

Medo

5.2

Olho-te de longe

e assim não me arrisco

ao corisco do teu olhar.

Olho ao longe com medo

de te encarar.

Com o tempo vão-se os desejos

e com eles somente o meu medo

de que tudo poderia ser diferente

e de que não tentei.

Tateei a esmo

na escuridão de minha sonora

solidão.

Deixe uma resposta