Arquivo por mês: outubro de 2013

out 29

O que trago?

O que trago em minhas mãos? ofertas de amor ou pedras da divisão? poemas em flor ou quimeras da ambição? Trago um pouco de vento para que assim ele disfarce, o estrago da tinta do tempo, que marcou a minha face. Trago um poema velho, tão cansado de rimar que agora é reverso, de morrer …

Continue lendo »

out 29

Sombra

Na janela da tua vida o espectro do que tu és, se a luz há em ti a sombra será a minha, se te apagas em queixumes, será a minha a luz que em ti rebate e volta, como o estranho que te bate à porta, em ensaios de querer ficar. Abre tua janela como …

Continue lendo »

out 22

Cada pedaço de chão

Faço meus caminhos olhando em várias direções, meu horizonte é vasto, também o meu coração. Falta de foco? Não meu foco é multidão. Caminho olhando ao lado, sempre há que se ser acompanhado, caminhos não se faz solitário, caminho é sempre lado a lado, se perder…uma opção, ficar parado, isso não. Caminhos faço-os de sol, …

Continue lendo »

out 22

Tive todo o tempo do mundo

Tive todo o tempo do mundo, para te dizer adeus, perdi-me no submundo dos pensamentos meus. Em verso imundo, obscuro, hereje e ateu, perdi-me de tudo, eu juro, perdendo o desejo teu. E o tempo que eu perdi, não mora mais aqui, moro no fundo de um poço chamado saudade.

out 22

Areias

Como as areias do tempo, que não cabem em nossas mãos, escorrem por entre os dedos, o ensejo de nossos desejos vãos. Os vãos desejos de vento e  de amor, que escapam de nosso coração, deixam pra trás o vazio da dor, parindo a aflição. E fugaz será o tempo, da seca da desilusão, quando …

Continue lendo »

out 15

No ventre amigo do teu amor

Clareie a tua sombra pois que nela tudo diminui, na sombra que tu arrasta, tudo assim se dilui. Sede a branca garça, que voando quando passa, faz a sombra pequenina, feito flor feito menina, feito enfeito de amor perfeito, feito um feito dois, e só o teu amor é o que vem depois. Abra-te em novos …

Continue lendo »

out 15

Nossa solidão

Sempre assim e assim sempre, dá-me tua mão e teu coração ardente, que juntos em profunda comunhão, caminharemos para sempre, a caminho da solidão. Rumo ao que há de mais sagrado, idolatrado e imaginado, presente futuro e um dia já passado. Caminharemos felizes, como eternas meretrizes, no campo amargo da ilusão, na estrada que não …

Continue lendo »

out 04

Miragem

E toda vez em que meu amor se for, para um país distante, em verso dissonante, descreverei a minha dor. Que num mesmo e único instante, de flor em punho errado errante, envolverei-te no meu verso, e do adverso dessa tanta dor serei a rutilante miragem, no fim do reverso, do deserto desse nosso amor. …

Continue lendo »

out 04

Dia do cão

Quatro de outubro é dia do cão, dia dos animais, da natureza, dia de Francisco de Assis, o São. Quatro de outubro é dia comum, dia aqui de primavera, dia de chuva e de espera, dia de lugar nenhum. Dia de alfa e beta, dia de diapasão, dia de poeta e dia de inspiração.

out 02

Saudades do rádio de minha avó.

Quarta feira, manhã úmida, chego no estacionamento ouvindo o rádio do carro, programa bom notícia quente, não queria deixar de ouvir boas novas, saquei do meu novo celular e procurei sintonizar a rádio que vinha ouvindo, dezenas de aplicativos, coisas que eu nem sei para que serve e se me serve, após alguns minutos a …

Continue lendo »

Posts mais antigos «