«

»

dez 18

Das cinzas do meu coração

poeira

Das cinzas do meu coração,

retiro o fel de que me embriaguei,

vagueei a esmo e mesmo sem rumo,

não consegui me perder de você.

Percorri as minhas saudades,

todas elas eram suas,

e minhas lembranças nuas,

de todo o nosso amor despidas,

eram estradas mal andadas,

e totalmente perdidas.

E de tudo o que sobrou… apenas cinzas.

 

 

Deixe uma resposta