Arquivo por mês: Maio de 2014

maio 20

Lavo-me

Lavo-me de ti, quero limpos os meus peitos, e a minha anca, a minha consciência de puta e de santa, dos pecados que são teus, quero-me limpa, da tua imunda tinta, e da tua boca, escrota e maldita. Lavo-me de ti como quem se lava num rio, livro-me das tantas juras que você mentiu, livro-me …

Continue lendo »

maio 20

Das pedras

Das pedras que me atiraste, construí a minha base, signifiquei-as como os grãos de areia, do tempo da minha vida. As ondas do mar morto e da revolta, açoitaram o meu peito aberto, nada mais me restou senão o meu íntimo deserto. Colho esperanças do vento, com as quais eu me fecundo, pari delas meu …

Continue lendo »

maio 19

Amor inimigo

  Você me pede coisas que eu já não sei fazer.   Já não sei esconder esse amor que sinto por você.   Já não sei te olhar sem de novo me apaixonar   e você me pede para tudo ocultar.   Já não sei estar com você sem mostrar meu amor, já não sei …

Continue lendo »

maio 16

Tudo o que quiseres

No alpendre triste da porta, caída estavas a pensar, quase viva e quase morta, na andança e na mudança, do quarto para a sala de estar. Cada ato vívido, cada átimo raso e profundo, do peito aberto santo e imundo, de cada bagagem do teu amor, de cada maça de tua face, em cada derradeiro …

Continue lendo »

maio 15

Flor de Maio

A Flor de Maio sorriu, em verso em cor em raio, da luz da lua ela refletiu, uma gota de sereno orvalho. A Flor de Maio se abriu, e dela uma outra flor, que em março reluziu, da morena filha do seu amor. A flor de maio espera, de flores amores e canção, uma nova …

Continue lendo »

maio 08

Ao teu lado

O beijo mais santo, que nunca foi tanto, deixou de existir. Agora quem sabe, dessa insana eternidade, um dia hei de me despir, do espesso manto da saudade, e do meu amor meu a me cobrir. Da tua boca mais que ausente, e do teu beijo mais ardente, do eterno amor meu a insistir. Da estrela …

Continue lendo »

maio 07

A mãe

Dá que a vida se abriu, no verão de um novo amor, de uma primavera que pariu, do ventre amigo de uma flor. Dá que o teu canto, feito um manto a brilhar, no útero úmido e recanto, de um raio de luz do teu olhar. Brotas assim da terra que tu és, mãe natureza …

Continue lendo »