Arquivo por mês: dezembro de 2014

dez 09

Arame farpado

Trago em mim a minha história ao fazê-la fiz-me eu, em cada verso rompido um outro verso nascido de um outro nascido eu.   Tudo é reflexo no espelho perplexo do pensamento meu, quando sangra a terra o barro e a lama a era o vaso e a cama do amor que se perdeu.   …

Continue lendo »

dez 09

Minha capa

Só sei falar de amor, isso me é a fraqueza maior a fortaleza invencível e o amor impossível que eu queria ter.   Talvez eu devesse ceder e me aquietar e não mais buscar o intangível.   Trago minhas mãos cansadas, escrevo versos que não dizem nada eles, os versos, são minha capa, com eles …

Continue lendo »

dez 06

Amanhece

  Amanhece em mim o gosto amargo, que o largo da tua boca oca da vontade de me querer. Amanhece em mim teu último escarro, teu botim de total descaso do teu desejo de não me querer. Amanhece em mil a cinza do teu cigarro, fria e morta como a veia aorta seca do teu …

Continue lendo »