Arquivo por mês: julho 2015

jul 31

Só esquecido

O fardo mais pesado do sonho jamais sonhado o último verso que juro e todo o meu amor eu julho a cada pedaço de chão sonhado   a seca do amor meu e a chuva de qualquer teu pasto a tragédia e o nefasto amor que jamais te senti que jamais te vivi o amor …

Continue lendo »

jul 31

Daqui a pouco

Daqui a pouco Agosto, daqui a pouco apenas o fel o contra gosto o amarelecido mel   Daqui a pouco o fim do amor jamais amado do sentido mal fadado do amargo vermelho do teu carmim   Daqui a pouco o epílogo o final  o fim o nada orquestral.   Daqui a pouco o apenas …

Continue lendo »

jul 30

Mortalha

by Andre Arment

Costuro a minha mortalha com a linha tênue da minha ilusão cada ponto que passo desfaço a minha paixão.   Repasso a linha da vida de tal modo comovida de tal modo e de tal amor que a linha da minha vida é a mesma linha da minha dor.   Tenho o peito perfurado cada …

Continue lendo »

jul 30

Fragmento

by Yarnall Abbott

Deixo a dor que você me deixou, deixo a saudade que antes era doce deixo a garrafa vazia que você me trouxe deixo a flor já murcha que você nunca plantou.   Deixo assim você, como um troféu que eu nunca quis ter deixo-te órfão do meu calor deixo-te a minha lembrança que o tempo …

Continue lendo »

jul 01

Trancas

Ilan Ben Yehuda

Abro meu peito feito porta, abro-o para dentro que é o que importa, abro a minha casa mais antiga onde guardo a minha maior ferida de quando habitavas em mim.   Casto ao te amar fraco em confrontar morto em caminhar adorno meu sepulcro com o teu último insulto levo para dentro de mim o …

Continue lendo »