jan 25

Crisálidas

tumblr_lposqdysun1qmyw1to1_500

Amanhecemos de uma noite distante
nossas marcas se somaram aos sonhos mortos
nossas vidas fartas
nossos sonhos tantos
nossas inúmeras marcas
nossos males santos.

Cada ruga de cada rusga
de cada antepasto servido
de cada mesa pronta
de cada caco partido

Envelhecemos em nossa casca
sendo crisálidas de vários eus
tecidos rotos já não nos aquecem
cada velho dia um novo adeus

Em cada marca uma saudade
em cada noite a se derramar
de cada olhar a eternidade
de quem não se cansa de esperar.

Em cada manhã uma vontade
em cada vontade um desejo meu
em cada desejo uma saudade
do amor que você prometeu.

dez 20

Esperar

542170_407987652557106_1066773636_n

Há que se querer
há que se dar
há que se amar
há que se aguardar

o tempo onde não haverá mais separação
não haverá despedidas
nem consternação
onde palavras a toa
possam soar de maneira a toa…

dez 13

A metade da maçã

04-time-agingA metade da maçã
do meu inteiro amor
a metade se perdeu
no quarto da minha dor.

O terço que eu rezava
virou extrema unção,
as contas que eu contava
espalhadas pelo chão.

No quintal da minha vontade
na tangente do meu amor
o decassílabo da minha saudade
o expoente da minha dor.


out 11

Teimo

1907413_10152299492893528_5043567070058722032_n

Desço ainda tonto
do sono em que me havia perdido
nele o sonho santo
em que me havia esquecido

Teimo em fantasiar
e a minha autoestima rebaixada
fragmentos de minha noite
mal acordada

Cada soneto feito em teu falar
cada anelo do teu cabelo
que teima em se desmanchar

cada sorriso discreto
secreto
desejo de te tocar

Tuas mãos tão firmes
tão não minhas
tão distantes
e tão sozinhas

Teu caminho é meu
descaminho casto e ateu
do teu olhar que não olha o meu

Resta-me a queixa
resta-me a deixa
resta-me o tempo ido
o tempo ainda não tido
e o tempo que se perdeu
resta-me o tempo maldito
que meu amor se perdeu.

out 11

Aparto

get_img

Me aparto de você
temo em continuar a te querer
em cada noite que eu só posso te olhar

cada noite assim
é uma noite sem fim
que eu não quero terminar

O teu cabelo
divino novelo
que teima em se desmanchar

Cada palavra maldita
da tua garganta bendita
que teima em me chamar

Nego o meu amor
nego e se assim for
nego para não me negar
nego o teu amor
negando em te amar

Nego o ego a me extorquir
pego o elo e o elixir
que da tua boca brota

Se te ainda amo não importa
em cada dobradiça de uma fechada porta
bebo a luz do teu olhar
em cada manhã que nasce-me morta.

out 11

Chaga

405394_451969828170834_1125046882_n

De cada canto do teu corpo
o absorto véu do meu olhar
ao te ver te desnudar

em tua anca despida

em minha alma perdida
e em cada pedaço do meu ser
cada palavra que tua boca geme
num novo amanhecer

Ainda em meu peito
uma chaga aberta
de uma chama de amor desperta
de uma paixão que ainda não morreu
essa chaga viva incerta
do amor que hoje é só meu.

Ao te ver me vejo
perdido no teu olhar
cada noite mal dormida
uma chaga parida
que não quer fechar.

set 11

Espectro

wrinkled_faces_part_640_03

Sou o espectro de mim mesmo
cada marca em minha cara
a cara  sem graça da dor

Cada marca uma desavença
com a minha mocidade
morta em flor

Cada marca um registro
de uma paixão que já não sinto
cada ruga uma rusga
cada defeito um mal feito

 

ago 16

Sobras (ao som de Joe Cocker)

405394_451969828170834_1125046882_n

Olho ao redor
não há nem a sombra de mim
nossas pegadas se apagaram na brisa de nossa última noite
nada restou de nós
a saudade então se tornou um dom
é ela a senhora de mim.
Caminho preso a ela
como quem não quer largar as próprias correntes.
Tenho todas as cicatrizes ainda abertas
como fendas vivas e irrequietas
a lembrarem a minha solidão.
Tomo agora em minhas mãos
as sobras de nossa extinta paixão
são flores secas numa página de um livro não lido
e de uma amor não tido nem ido.

ago 16

Nossa fé

10712794_343252995799297_161060590922005677_n

Que toda fé se eternize
na santa sé
da igreja que nos harmonize

No altar do nosso amor
no púlpito de tantas palavras
no terreiro de nossa cor
no andor de nossas almas.

Que nossa fé seja humana
e mesmo assim divina
sinhá e mucama
idosa mulher e menina

Que seja a fé mais que viva
na mistura de desespero e calma
na diversidade de cada vida
na esperança de cada alma.

Seja uma fé no Eu e no teu
na vida que se inicia
de Europa e Prometeu

Que seja a nossa fé uma crença
de que todo mundo seja bom
de cada parto e de cada nascença
de cada palavra e cada som

Que seja a nossa fé a mais santa
a de que cada homem mulher e criança
 seja o sinônimo de nossa esperança

A esperança que se agita
em cada canto deste mundo velho
da esperança que habita
e se torne o nosso Evangelho

Seja a minha a tua e a nossa
e de quem mais possa
a fé mais que tamanha
de um amor mais que acolhedor

A fé menina e tanta
como a semente é a da flor

Sejam os teus passos os meus
em cada caminhada da nossa dor
sejam os meus versos camafeus
que te traduzam o meu amor.

 

ago 09

Entre os teus dedos

foto by Corinna Kern

foto by Corinna Kern

Tuas mãos estão vazias de mim
nelas fiquei por um momento
tênue curto abrupto
como grãos de areia escorri por entre os teus dedos
nada me poderia reter entre as tuas mãos
nada poderia ser assim
não poderia ser eu o único a ser retido e derretido por teu coração frio
não poderia imaginar que teu olhar fosse assim
tão perto e tão distante de mim
e tão estranho
tão estranho

Posts mais antigos «

» Posts mais novos